Áreas sem drones, quem achou que apenas a região de Washington, DC receberia uma medida dessas estava enganado. A última notícia vem do oriente, onde o governo de Tóquio, a capital do Japão, anunciou que em todos os parques públicos da cidade, totalizando 81, estão proibidos os voos de drones, independentemente do fim para o qual esteja sendo utilizado. Como forma de obrigar as pessoas a seguir esta nova regra temporária, as multas para quem a descumprir pode chegar até a casa dos 7 mil euros, equivalente a mais de R$ 24.000,00.

Segundo o The Japan Times, a nova medida tomada pelas autoridades de Tóquio é uma resposta ao recente incidente, em que um integrante da segurança pessoal do primeiro-ministro encontrou um drone carregando um copo de água radioativa no telhado do escritório do primeiro-ministro japonês, que não estava no Kantei (nome da residência oficial do chefe de governo japônes) no momento do ocorrido. O caso, possivelmente, está associado a rejeição, por parte do governo, de reativar uma usina nuclear no sudoeste do Japão. Veja a notícia completa sobre o caso aqui.

Tóquio proíbe drones em parques públicosTóquio proíbe drones em parques públicos

Mesmo declarando que eles esperam não se fazer necessária a aplicação de várias multas pelo descumprimento da medida, a polícia pediu a todos os moradores de Tóquio para respeitar a atual proibição que, segundo o Engadget, será temporária.

Casos similares ao de Tóquio

Vários países vem relatando problemas com o voo de drones em regiões “sensíveis”, como vários países da Europa, que têm relado a utilização dos veículos aéreos não tripulados próxima às suas usinas nucleares e outras áreas restritas, segundo algumas fontes já forma relatados mais de 60 sobrevoos indevidos na França. Assim como a queda de um desses em janeiro na Casa Branca, ou ainda mais recente, o caso do drone que obrigou o serviço secreto a confinar toda a residência oficial, e principal local de trabalho, do presidente dos Estados Unidos da América.